remuneração justa III

Remuneração justa é um direito dos administradores

Eu tenho um ditado que diz: ” Não quero nada que seja dos outros, mas faço questão de tudo o que é meu”. No que diz respeito à remuneração justa, todo administrador deveria colocar isso em prática.

Se você quiser eu te empresto o ditado.

Mas, indo direto ao ponto, o artigo de hoje trata de mais um dos direitos do administrador descrito no CEPA.

O que diz o inciso III do artigo 4 do Código de Ética dos Administradores 2018?

São direitos do Profissional de Administração:

III – exigir justa remuneração por seu trabalho, a qual corresponderá às responsabilidades assumidas a seu tempo de serviço dedicado, sendo-lhe livre firmar acordos sobre salários, velando, no entanto, pelo seu justo valor;

Na teoria é lindo, já na prática…

Não estou dizendo que nenhum profissional de administração tem a remuneração justa pelo trabalho prestado.

Ainda há as empresas que reconhecem os esforços dos funcionários e traçam planos de crescimento para motivá-los a se qualificarem.

O que estou falando é que, de uma forma em geral, uma grande parcela ainda não recebe uma remuneração justa para o trabalho desempenhado.

Remuneração Justa X Responsabilidades assumidas

A relação entre remuneração e responsabilidade assumida deveria ser muito clara na hora de se definir o salário/honorário do administrador.

Geralmente, até o é. A questão está naqueles trabalhinhos que aparecem nas entrelinhas.

Ou seja, sabe todas aquelas pequenas atividades que aparecem, e que não são diretamente suas, mas que caem no seu colo para resolver?

Pois bem, se você resolve e resolve bem, deveria ser reconhecido por isso.

Acima de tudo, deveria ser remunerado por isso.

Se você é uma espécie de Faz Tudo, um funcionário Bombril, pode e deve receber uma remuneração justa por isso.

Tudo o que você precisa saber sobre o Código de Ética do Administrador

Não preciso de um aumento, preciso de uma remuneração justa

A maioria dos administradores já quis invadir a sala de seu chefe e falar que precisa de um aumento.

Precisar todo mundo precisa, na verdade todo mundo precisa aprender a administrar o que ganha, mas, deixa isso para lá.

O que está em questão é que talvez você esteja conjugando o verbo errado.

Um administrador que exerce as suas tarefas e é sobrecarregado com tarefas que seriam de outras pessoas não precisa de um aumento.

Ele MERECE um aumento.

Uma gratificação, uma recompensa, não sei o nome que você dará, mas, uma coisa é certa, VOCÊ MERECE.

Então mude seu estado de consciência e comece a se ver merecedor disso.

Com isso, sua postura mudará e você desenvolverá a coragem necessária para abordar seu chefe sobre o assunto.

Se prepare para o Locaute

Você não vai invadir a sala de seu chefe de uma hora para outra e falar sobre sua proposta de aumento.

Um(a) administrador(a) não agiria assim. Não um qualificado.

Como bom administrador(a) que você é, certamente você fará um planejamento para essa conversa.

Certamente, organizará pontos estratégicos a serem abordados. Mostrará sua dedicação e empenho na realização de múltiplas tarefas.

Além disso, mostrará seu desempenho na execução dessas atividades.

Durante essa reunião, mantenha a calma e a humildade, mas, não faça cara de cachorro pidão.

Você não está pedindo favor, e precisa acreditar nisso. Assim toda sua postura mudará.

Está apenas solicitando que seu esforço e dedicação sejam reconhecidos e mostrando que não é justo desempenhar mais funções sem receber uma remuneração justa por isso.

Horas extras, remuneração extra

Um outro ponto que deixa muitos profissionais de cabelo em pé são as horas extras.

Principalmente aquelas não contabilizadas, sabe?

Certamente, toda a carga horária de um profissional deveria ser contabilizada e, se excedida, convertida em remuneração ou folga.

Entretanto, não é sempre assim.

Muitos profissionais extrapolam seus horários de trabalho por causa de alguma meta que precisam bater ou de um trabalho de última hora que tem prazo para ser entregue.

Se isso acontecer raramente, muito esporadicamente mesmo, até vai.

O problema está quando começa a virar rotina.

Se você não colocar um limite já era.

Sim, você precisa colocar um limite, se depender do seu superior, ele vai querer sugar sempre mais um pouco.

Aí, como diz outro ditado, você virá “mulher de malandro”, e se sujeita a uma situação com a qual não concorda ou não está a vontade.

Se você é solicitado a trabalhar além do seu horário com frequência, está na hora de exigir que toda essa carga horária seja contabilizada e que você seja compensado de alguma forma. Se não for financeiramente, que seja em folga para desfrutar ao lado de quem gosta.

Então, por falar nisso, passamos à outro ponto delicado.

Não leve trabalho para casa

Se ilude quem acha que hora extra se faz só no ambiente de trabalho.

Seu momento de descanso é para ser desfrutado com sua família, ou amigos. É para você gastar fazendo o que gosta.

A mesma regra se aplica aqui.

Se foi uma coisa esporádica, ok. Mas, não deixe isso virar uma rotina.

Seu trabalho deve ser executado no seu ambiente de trabalho.

Se for para trabalhar de casa, que você comece a receber pelo Home Office.

Lembre-se é um direito seu receber uma remuneração justa pelas responsabilidades assumidas a seu tempo de serviço dedicado.

Seja o melhor gestor de si mesmo.

Até a próxima.

Compartilhe esse artigo em suas redes sociais e com outros administradores.

Nos ajude a espalhar um conteúdo desenvolvido especialmente para os profissionais da nossa área.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima