Administradores Que Agem de Má-Fé

Não precisa ficar assustado(a) até os mais santos já agiram de má-fé nessa vida.

Lembra daquela vez que você escondeu um doce ou brinquedo do amiguinho de propósito, para poder desfrutar dele mais tarde?

Brincadeiras a parte, vamos direto ao ponto e focar em nosso artigo.

Nosso novo artigo de comentários do Código de Ética dos Administradores é sobre o inciso XVII, artigo 3, que fala sobre agir de má-fé.

O inciso XVII do Art. 3º do Código de Ética dos Administradores

XVII. prestar, de má-fé, orientação, proposta, prescrição técnica ou qualquer ato profissional que possa resultar em dano a pessoas ou organizações

O inciso XVII traz o termo má-fé, que refere-se à intensão de causar dolo, prejuízo.

De uma forma geral o termo abrange a intensão de causar dolo a terceiro ou a si mesmo.

Mas, o inciso XVII foca nas ações de cunho profissional do administrador à uma empresa ou outra pessoa.

Observe que o inciso é amplo e envolve desde uma orientação, até uma ação direta do administrador que resulte em algum dano.

Isso nos chama atenção mais uma vez para a responsabilidade e cuidado que o administrador deve ter com suas ações.

Ao desempenhar suas funções profissionais o administrador precisa ter certeza de sua perícia.

Se você não tem a habilidade necessária para desempenhar um cargo ou desenvolver um trabalho, não assuma.

Já se imaginou sendo operado por um médico sem a devida qualificação?

O seu trabalho não é menos importante.

Apesar de não salvar vidas literalmente, um administrador pode acabar com muitas vidas se causar a falência de uma empresa.

Toda vez que você for solicitado para fazer algo, verifique se possui todas as competências necessárias para concluir a tarefa de forma correta.

Algumas habilidades podem ser desenvolvidas ao longo do trabalho, é verdade.

Mas, as habilidades chave já devem estar em você.

Um dos maiores erros das empresas hoje é permitir que pessoas incompetentes ocupem os cargos de coordenação, gerência e diretoria.

Do uso de má-fé

Agora, supondo que você tenha toda a qualificação e experiência necessária para desempenhar seu trabalho.

O risco de você cometer um erro que cause um dano considerável à empresa ou algum cliente é bem reduzido.

Se mesmo assim vier a acontecer, provavelmente você será questionado do porquê.

Caso fique comprovado que foi por uma simples falha humana, tudo bem, o problema está quando fica comprovada a má-fé.

Desta forma, toda vez que lhe for solicitada uma orientação profissional, estude bem a situação, embase seus “conselhos” e de preferência envie uma resposta de forma oficial e por escrito.

Isso te protegerá da ação de má-fé de terceiros.

Da mesma forma, quando formular propostas de compras, vendas ou qualquer outro documento importante, tenha essas orientações em mente.

Este inciso aborda, na verdade, os casos de desvios moral e ético.

Afinal, o administrador que propositalmente dá uma orientação, formula uma proposta ou assina uma prescrição técnica com a intensão de lesar o cliente/contratante, torna-se publicamente imoral, anti-ético e não é digno de ter o registro profissional de Administrador.

Quer conhecer mais sobre o CEPA? Leia nosso artigo: Tudo o que você precisa saber sobre o Código de ética do Administrador.

Até breve.

Caso tenha gostado do nosso conteúdo, por favor, curta e compartilhe em suas redes sociais.

Assim poderemos alcançar à muitos administradores e fortalecer ainda mais nossa profissão.

Posted in

Jadir Tosta Junior

Trabalhei por mais de 10 anos em grandes multinacionais como: Unilever, XEROX e VONDER. Atuo como Administrador concursado desde Novembro de 2011 em um órgão no Estado do Espirito Santo. Sou apaixonado por marketing digital e também por empreendedorismo, por isso, passo parte de minhas noites atuando como Consultor de Marketing de Digital/Inbound Marketing e Vendas pela internet e principalmente, fazendo algo que adoro: escrever aqui no blog.

1 comentário

  1. […] nosso artigo sobre o inciso XVII, Já agiu de má-fé hoje?, falamos justamente sobre um dos maiores erros das empresas ainda […]

Deixe um Comentário





Art. 11 Inciso IV

Art. 11 Inciso IV – Cancelamento do registro profissional

Por Jadir Tosta Junior | 21 de dezembro de 2020

Você sabia que o seu registro profissional pode ser cancelado? É o que diz o Art. 11 Inciso IV, no Código de Ética Profissional do Administrador. Mas afinal, o que fazer quando isso acontece? Quais são os seus direitos nesse caso? Se você quer saber mais sobre o Art. 11 Inciso IV e como ele…

Art. 11 Inciso III

Art. 11 Inciso III – Suspensão do exercício profissional

Por Jadir Tosta Junior | 18 de dezembro de 2020

Ninguém quer ser impedido de exercer a própria profissão. Mas de acordo com o Art. 11 Inciso III, em caso de violação de regras, o administrador pode ser suspenso de suas atividades profissionais. Mas o que faz um administrador ter seu registro profissional suspenso? O que fazer caso você seja impedido de exercer a profissão?…

Art. 11 Inciso II – censura pública

Por Jadir Tosta Junior | 18 de dezembro de 2020

Você sabia que de acordo com o Art. 11 Inciso II, você pode sofrer censura pública, caso cometa algum tipo de infração ou quebre as regras do Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA)? Isso acontece porque as pessoas que atuam em uma determinada profissão regulada por órgãos, estão sujeitos a esse tipo de punição.…

Art. 11 Inciso I

Art. 11 Inciso I – Advertência escrita e reservada

Por Jadir Tosta Junior | 18 de dezembro de 2020

O Art. 11 Inciso I lida com penalidades um pouco mais brandas. O que isso significa? Para começar, é importante você saber que a violação aos preceitos e regras do Código de Ética Profissional do Administrador (CEPA) pode gerar punições e penas. Algumas são mais leves, outras mais graves. Portanto, é muito importante que você…

Conselho Regional de Administração?Regional de Administração

Como funciona o Conselho Regional de Administração?

Por Jadir Tosta Junior | 14 de dezembro de 2020

O Conselho Regional de Administração (CRA) é o o órgão que fiscaliza o exercício profissional (diretos e deveres) dos administradores brasileiros. Esse órgão foi criado em 9 de setembro de 1965, pela Lei n° 4.769. Desde então, a vida de todos os profissionais da administração melhorou consideravelmente. Entretanto, os deveres também começaram a ser cobrados…

Art.  13 Parágrafo 1

Art. 13 Parágrafo 1° – Imposição das penas para administradores

Por Jadir Tosta Junior | 14 de dezembro de 2020

Em algum momento da sua carreira de administrador, você vai se deparar com algum colega que agiu de modo antiético. É sobre isso que o Art. 13 Parágrafo 1° se refere.  Enquanto a suspensão é uma punição temporária, o cancelamento impede que o administrador continue a exercer a profissão. Ou seja, ele terá que procurar…